13 de nov de 2011

SENSAÇÕES


Enquanto a chuva cai lentamente lá fora
Fico aqui deitado a pensar,
A olhar intensamente para esse infinito de sensações...
Ora para o laranja vibrante da parede protagonista;
Ora para as folhas de cor verde-escuro da jaqueira,
que são sutilmente balançadas pela brisa
quase que perene dessa estação –  fora de estação.

Lá, pouco abaixo da veneziana cor de ouro envelhecido,
Encontra-se aquela mimosa banqueta de madeira,
Fruto de mãos marceneiras cheias de inspiração,
Sabiamente desenhada e maquiada com verniz.
Sobre ela, um comprido copo de cor rosa-choque
Lembrança de outras festas, e que agora
Não passa de peça de decoração. Na verdade, sempre
Esteve fadado a isso: mera alegoria.
Ao seu lado, o tic tac incessante dos ponteiros dourados que,
A despeito de qualquer labirintite, percorrem a face polida
Da rocha verde-petróleo, transformada em utensílio humano.

É o artificial mais o natural. 
Mais o artificial, menos o natural.
O homem sempre muda.
Ou sempre tenta mudar.
E eu continuo olhando, e sentindo...







*Fruto de momento de reflexão com a Bia, 
homenagem a ela.

9 de nov de 2011

Faculdade acabando

Nossa, quanto tempo sem escrever aqui!!!


Muita coisa mudou:

- últimos dias de faculdade, útimos trabalhos, provas exaustivas;
- monografia pra escrever, agora na expectativa de defender o trabalho (com unhas e dentes, depois de tanto esforço);
- prova da OAB - 1ª fase já foi, após um pouco de suor e correria. O gabarito saiu há uns 10 dias, foi bem emocionante! hehe... que venha a segundona!

Além do mais, o 'advento' do Facebook deu uma esfriada na blogosfera, e eu fiquei um bom tempo sem desabafar por aqui....

Mas to preparando algo fresquinho pra cá, logo logo posto!

Abs.

PS.: Acredito que vou sobreviver.