25 de ago de 2012

Fora de lugar

Viajar cansa.
É uma rotina que ainda não estou acostumado. Mas creio que já estou me acostumando, tô ficando bom em fazer as malas HAHA
5hs de viagem é o bastante pra dar uma cansada no peão. Mas não é tão pesado pra mim não, principalmente quando se tem um tempo ali na poltrona para aproveitar pra relaxar, ficar naquele estágio sonolento de dorme/não-dorme, pensar na vida, ouvir uma boa música ou até assistir um episódio de uma série legal. Se temos que passar por isso, então que seja um tempo agradável.





Em casa [Maringá], meu quarto tá cheirando tinta. Na vdd é aquele cheiro que fica por permanecer muito tempo fechado.

Tá tudo diferente, mas tá igual.

Acho q é o efeito de 4 semanas longe. [2 + 2]

...Na primeira vez estranhei demais. Voltar a estar e a dormir no meu quarto mexeu muito comigo. Senti o peso de ficar longe e reencontrar tudo depois de 15 dias...

A coloração do ambiente tá diferente.

O clima tá diferente.

O banheiro tá estranho: a pia tá menor.

A Estrela tá maior e mais gorda, e nem me reconheceu rapidamente quando cheguei no portão. [depois ela me identificou e ficou toda-toda].

Tudo diferente!

Onde estooou?


Mesa nova no quarto novo

21 de ago de 2012

20 dias longe de casa

A vida longe de casa é... cansativa.
Não é fácil. Se acostumar a cada coisa nova, cada simples desafio do dia-a-dia pode ser complicado. Não que seja tão complicado, mas tudo é digno de apreciação: cada esforço, cada coisa que necessita de um gesto seu para dar certo. Enfim, agora não tem mais ninguém por perto para deixar as coisas em ordem pra mim.
Cozinhar, limpar, lavar, viver. Tudo individualmente, tudo de maneira independente. Se antes eu achava que morar num quarto separado da casa era sinal de independencia, hoje percebo o quanto estava enganado. Minha mãe estava sempre ali, meus pais sempre no controle, fazendo tudo. Eu só ia no embalo. Era absurdamente dependente e não percebia.
Hoje percebo. Aqui, há 160km de casa. Como era fácil a vida! Hoje a rotina é um pouco mais pesada. Como disse, tudo depende de mim. Nada acontece [incluindo aqui o feijão a ser cozido, a porta a ser trancada, as compras a serem feitas] sem que eu precise me mover em direção a isso. Nada! Será que isso é ser independente? Bom, se for, estou aprendendo a viver com isso.

Nesses primeiros 20 dias, fiquei por duas semanas com dor de cabeça.
A comida do restaurante acho q tava me fazendo mal
Agora estou fazendo minha propria comida..
Já fui pra casa, já revi minha familia, cadela e quarto e chorei de saudade
fiquei triste novamente por te-los q deixar
Já repensei minha volta pra cá, no domingo a noite
ouvi muitos conselhos
Já fui assediado no mercadinho da vila
me esqueceram na rodoviária de Paranavaí
rs
fizeram festa pra mim, pelo meu primeiro aniversário fora de casa
tive diarréia e fui pro hospital [aquilo que mais parece um açougue clandestino]
Já cortei a mão fazendo comida
Já aprendi a descongelar e recongelar um frango
Já comi um lanche sozinho na praça central, em pleno sábado à noite
etc.










8 de ago de 2012

Os dias em Loanda

Viver sozinho não é fácil! Acordar, cozinhar, limpar, trabalhar... ainda mais quando se faz tudo isso num lugar nova, numa cidade desconhecida, junto a pessoas desconhecidas.








Ainda to me acostumando com Loanda, esses 10 dias passaram rápido, mas parece q foi uma eternidade. É, nem eu entendo.

A cidade é menos pior que eu pensei, mas também não é tão melhor assim, diante de tudo que já tinha ouvido de ruim. É pacata, pequena, gente simples.


Ah, cheira a sítio. Sim, cheiro de mato.

Me sinto um ET aqui. As pessoas ficam me olhando, curiosas. Algumas nem disfarçam. Tem um mercadinho perto de casa que nem dá vontade de voltar lá: fui praticamente assediado pelas meninas que trabalham lá. "Sérião!"


Já conheci boa parte da cidade. Sou curioso. Acho que não mais que os próprios habitantes, mas enfim rsrs.



Já conheci vários estabelecimentos, tive que comprar cama, guarda-roupa, botijão de gás, modem, compras de mercado, etc.


Enfim. A presença de alguns amigos aqui tá ajudando muito. Deve ser horrível chegar num lugar novo sozinho, sem conhecer ninguém.

Sair de casa...

Não pensei que seria assim. Não imaginava que doeria tanto, mas fechar a porta de meu quarto vazio, num ato de 'adeus', e abraçar minha família, realmente me deixaram baqueado.


Sair de casa doeu muito. Mesmo com toda a expectativa da nova vida e do novo trabalho, com toda a segurança de alguém que já dorme separado da casa principal, mesmo com tudo isso, deixar o seio de meus pais foi algo muito penoso.

E arrumar as coisas? Cadê ânimo pra isso? Muito difícil, além do esperado.

Nunca pensei que teria que ser forte o suficiente pra segurar as lágrimas neste momento. Nunca pensei que teria que ser tão bom ator pra esconder aquelas que rolaram durante a viagem, quando percorria a rodovia que me levaria para longe. Os óculos de sol me ajudaram muito, mas não sei se pude enganar alguém. A mim mesmo não pude enganar: eu estava arrasado por dentro, aflito, machucado.

Deixar Maringá, lugar onde vivi por toda a minha vida, foi uma das tarefas mais difíceis pra mim. só não foi pior porque não tive medo disso. Deixei os receios para a véspera, e para o dia da partida. Querendo ou não, a tristeza disso tudo sempre esteve ali, em mim, e nestes dias, ela eclodiu, transformando-se em complexas lágrimas, que uniam a dor à esperança. 

Choro contido na viagem, mas incontido no novo lar, na solidão de quem agora assumira o ônus da independência.  Eu realmente amo muito minha família, meus amigos, minha cidade, e me dói pensar que minha mãe e familiares estão sofrendo longe de mim. Mas creio que isso é o melhor, neste momento.... E que vai valer a pena...

=/

Loanda, meu novo lar temporário.