30 de dez de 2008

Não quero mais me esconder atrás dos montes
tanto receio q me impede de viver

Não quero mais sair correndo atrás das horas
gritar, cansar as minhas pernas e perder...

...o tempo não volta atrás
as horas se escoam nas janelas deixadas abertas!

Fecho os olhos pra não ver passar o tempo
a nostalgia me alcança
ela me espanca, me faz soluçar

Não quero mais me esconder nesse receio
esse medo idiota, que só me faz parar

O dia nasce, a aurora surge... ela me encanta!
ela me atrai e assim me faz sonhar

Um horizonte de alegria e esperança
Com sorriso de criança
quero alcançar!



Viver é ter histórias pra contar
é ter notícias pra te dar
é ter sentimentos pra expressar
é a alegria de poder amar!!!

22 de dez de 2008

Base Científica para o "poder" da Juventude

Essa semana li na Superinteressante estudos sobre o desempenho dos mais experientes e dos nenos experientes, em várias profissões. Adivinha... só veio comprovar aquilo que andamos debatendo dia 20/11: os jovens são bons, e muitas vezes melhores.

Estudos realizados na Inglaterra e nos EUA, em Universidades como a da Flórida e da Pensilvânia, comprovaram que em muitas missões os mais novos são mais eficientes que os mais velhos. PQ?? Talvez porque a arrogância de já ter experiência em determinada área acaba por levar os profissionais mais experientes a serem negligentes quanto a diversos aspectos da circunstância. Pensam que são bons o suficientes, e acabam não se prevenindo quanto a situações novas e emergenciais.

Os testes foram realizados, por exemplo, com motoristas ingleses (q perderam em atenção para os novos na boléia) e com enfermeiras americanas, submetidas a uma situação simulada em que um robô era o paciente (a título de curiosidade, o robô morreu com as duas equipes, a veterana e a novata, porém as novatas foram mais diligentes e o ser mecânico durou mais tempo "vivo").

A principal causa que deu a vitória dos novatos sobre os veteranos, apesar da falta de experiência, foi a curiosidade para com situações novas, e a flexibilidade para se adaptar a elas. A falta de prepotência foi decisiva.


uRRRRuuuuuuuuuu, nossa tese agora tem uma base científica!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
))))