26 de nov de 2008

CAOS EM SANTA CATARINA!

O noticiário não enfatiza outra coisa, senão a chuva incessante em Santa Catarina e a tragédia que a cada instante aumenta em proporções.


Famílias perderam tudo o que tinham com as enchentes. Casas foram derrubadas pelos desmoronamentos de morros e barrancos. Estradas foram bloqueadas por ondas de lama e pedras...


Eles não têm culpa. Têm necessidades. E se fosse com a gente?

Muitos se gabam de morar em lugares seguros. Quem é que estabele que um lugar é seguro ou não? Quem garante alguma coisa?


Eu mesmo estava até pensando em um dia ir morar em S. Catarina, mas depois dessa, prefiro agüentar o calo de Maringá mesmo... todo lugar tem seus inconvenientes, só nos resta medir o tamanho desses inconvenientes e optar pelo mais seguro..


Creio que a população catarinense que habita a região do vale do Itajaí não podia esperar por isso... a chuva prolongada é que desestabilizou o terreno, provocando avalanches de barro, e fez o rio subir mais de 11 metros. Casa destruídas. Estradas destruídas. 30% do estado atingido pela catástofe natural.


Só nos resta ajudar. SOLIDARIEDADE é a palavra.

Por menos que possamos ter, sempre temos algo a compartilhar com quem nada tem. É como aquele ditado: "Ninguém é tão grande que não tenha nada a aprender, e nem tão pequeno que não tenha nada a ensinar". (faça um esforço mental e chegue analogicamente ao ponto desejado, ok?)

A Bíblia já diz que "mais bem-aventurado é dar do que receber".

Se não pode dar nada, dê suas orações. Mas faça um esforço: devemos sempre ir além do comodismo. Deus só age no sobrenatural quando o homem já escoou suas forças no natural. Aja!! Fisicamente!!!

"A ação é uma inervação muscular produzida por energias de um impulso cerebral que, comandadas pelas leis da natureza, provocam uma transformação no mundo exterior." (Von Liszt, inspirado pelo Positivismo Naturalista)

Procure o Corpo de Bombeiros e dê alguma ajuda!

20 de nov de 2008

20/11/2007... Faz 1 ano!!!

TIAGO HENRIQUE CARRARO
12/08/1988 * 20/11/2007

Há exato um ano este companheiro nos deixou. Deixou também muitas saudades, e , pra ser franco, um grande sentimento de impotência. Muitas dúvidas, também.

Fiz até uma canção.

Mas a vida não pára, e os dias seguem. Que Deus abençoe sua família e seus amigos, e que nosso objetivo seja ir cada vez mais longe.



Às vezes parece que faz muito tempo, às vezes parece que foi ontem....

O fato é que o tiago deixou grande saudade no peito, e grandes liçoes de vida a serem aprendidas..........


Posso dizer q hj sou uma pessoa mais madura, mas não tenho muito prazer nisso. Fazer o que... a vida segue.

O que está registrado em nós, não será apagado. Todas as vezes que passar por lugares que me tragam alguma lembraça, ou ainda ver alguma foto ou alguém parecido, ou ter a sensação de estar novamente na infância, ou mesmo quando chegar a época do meu aniversário, me lembrarei dele.


O mundo é dos Jovens


De repente me vi perante essa reflexão: os jovens são muito bons. O que me fez chegar à essa conclusão, entre outros fatos, foi eu ter sido primorosamente atendido por um jovem médico de apenas 26 anos na semana passada. Pensei: pô, mas um médico tão novo??

Juventude! ah, a juventude! O que nos falta em experiência, nos sobra em disposição e inteligência. Tá certo que a experiência é de fundamental importância, mas não podemos desprezar os novos profissionais pela pouca idade.

Prova disso tive na última quinta-feira, com um médico recém formado. Posso garantir que, em termos técnicos, foi a melhor consulta que já tive, tamanha a diligência demonstrada pelo mesmo. Isso até aumentou em mim a paixão pela profissão, devido ao zelo que o profissional demonstrou. Amo a medicina... seria médico, caso não tivesse tanta aversão a sangue, cadáveres e tipos afins... é uma pena.

Os jovens fazem a diferença. Vão além de onde muitos (nem todos), já cansados pelos fardos da vida, vão.

Se é pra fazer, então que seja com excelência.

Outra prova incontestável: na última segunda-feira, no reality show do programa "Mais Você", um dos participantes mais jovens conseguiu a vitória, após três meses de provas e competições de culinária. Tornou-se o Super Chef (foto acima).
Henrique é jovem, tem 21 anos, e é um brilhante cozinheiro. Senão não teria vencido tantos competidores.

Mas não basta ser jovem. Tem que querer ser bom.


14 de nov de 2008

Adultos hipócritas! Me demito...


Navegando por esses blogs acabei por encontrar um assunto comum entre muitos deles e eu, esse sentimento de que todos estão te censurando por tudo o que você faz e que não está de acordo com as regras estabelecidas.



Mas essas regras não são jurídicas, nem morais, nem sequer dotadas de um mínimo de normatividade. São regras idiotas que os adultos criam para si, como forma de demonstrar sua maturidade; todos os que agirem diferentemente desse padrão de "comportamento adulto socialmente aceito" é tido por estranho, é criticado.



E se eu quiser ser diferente? E se eu quiser me portar como uma criança? E se me der vontade de jogar bets na rua, tomar banho de chuva e acreditar (mesmo que em fantasia) que a vida é bela? Quem tem o direito de me censurar por isso? Liberdade, pra que te quero....



às vezes queria me demitir... me demitir da condição de adulto e voltar a ser uma criança; voltar a ter sonhos fantasiosos, voltar a correr descalso pela fazenda, voltar a brincar de esconde-esconde com os amigos, tentar contar incansavelmente as estrelas e ficar esperando pelo surgimento de uma estrela-cadente, voltar a crer em Deus com um coração todo inocente, voltar a acreditar que as pessoas que nos amam nunca vão nos deixar, e que sempre vai ter alguém pra nos proteger dos perigos do mundo. Que saudade daquele cheirinho de terra molhada, das jabuticabas e mangas da vizinha, e daquele carrinho de rolimã que eu tanto amava....



Tenho certeza que todos, mais cedo ou mais tarde, acabam se cansando dessa vida metódica, disciplinada, totalmente agendada. Todos têm vontade de sair correndo, gritar ou ficar de bobeira, sem fazer nada, mas poucos têm a coragem de ousar ser diferente. E isso não implica em irresponsabilidade, em infantilidade ou puramente em um jeito fútil de encarar a vida. Fúteis são vcs, adultos tristes, fechados melancolicamente dentro de um casulo que criaram para vcs mesmos, deixando-se levar nesse carrossel contínuo que é a vida. Pra quê? Pra um dia acordarem e perceberem que já se passou tempo demais, e que o tempo não volta atrás.

13 de nov de 2008

ROUBARAM MEU CARRO!

Daí a gente se pergunta o que leva uma pessoa a tirar a vida de alguém, tirar o patrimônio de alguém, ou simplesmente acabar com sua honra. Então a gente se lembra de todos aqueles assuntos estudados em sociologia, filosofia, ciência política e ciências afins, de como a natureza humana se comporta perante o meio social. Na verdade, tudo isso culmina na criminologia, que, desde os estudos de Lombroso, e até antes dele, tenta desvendar o caráter do delinqüente (autor do delito).

Falta de compaixão? Falta de amor próprio e alheio? Falta de Deus? Simplesmente "senvergonhice"?

O fato é que eles estão a solta. Prova disso tive ontem, por volta de meio-dia e meia, quando estava no centro com a família. Voltei ao meu carro, pra então ir embora.


ROUBARAM MEU CARRO!


O fato é que ele desapareceu. Sem deixar pistas. Eles são bons, dificilmente deixam pistas. Achei que minha mãe teria um ataque.

Na verdade, a ficha ainda não caiu. Na hora, principalmente, a gente não quer acreditar. Dei várias voltas no local para ter certeza de que ele realmente não estava lá: precisava ter certeza, mas não queria acreditar. E é então que a gente se sente a pior das criaturas. Um sentimento terrível de impotência toma conta do nosso ser; a gente simplesmente não sabe como agir perante tal injustiça. Dá vontade de gritar e, ao mesmo tempo, ficar calado e torcer pra que um buraco se abra no chão pra vc poder se esconder. É como se parte de vc tivesse sido furtada, e vc sente a mesma tristeza como se tivesse perdido um ente querido.

Por alguns instantes consegui compreender porque muitas pessoas que perdem todo seu patrimônio, como nos casos das crises de bolsas de valores, acabam se suicidando. Sentimento de impotência, de fragilidade, de inferioridade.

É difícil, mas ainda pode acontecer o melhor. Eu tenho que crer.

Tudo que estava ao nosso alcance foi feito: desde o registro na PM, o Boletim de Ocorrência, e a divulgação na rádio. Confiar somente no Estado não é fácil. Nem sempre ele é eficiente como gostaríamos q fosse.

Pára o mundo que eu quero descer.

(ah, eu vou ficar bem... já tô até melhor...)

6 de nov de 2008

ANSIEDADE

A edição deste mês da SUPER trás como matéria de capa a Ansiedade. Olha que eu estava ansiosíssimo para ver qual era a capa deste mês, mas me recusava a ver no site ou em uma banca de revista. Esperei chegar em casa e... tcharam! "ANSIEDADE". Aí fiquei ansioso pra ler a matéria. A gente vive ansioso... Definem a ansiedade como um medo, um receio de algo futuro. A definição, na verdade, é bem mais ampla e complexa do que conhecemos ou pensamos. Muito boa reportagem.

A ansiedade é algo intrínseco e fundamental ao ser humano. Segundo explanações da revista, a ansiedade está presente desde os primórdios da história humana. Aliás, foi decisiva na seleção natural, na lei da selva: somente os mais preocupados com a sobrevivência puderam superar os perigos e contornar situações (como os predadores, por exemplo).

Na Idade Média (ou até ela), as pessoas sentiam-se ansiosas devido à exaltação da religiosidade. Qualquer motivo poderia levar os fiéis do céu ao inferno, e por isso tamanha preocupação em nunca errar.

Atualmente, nos sentimos ansiosos de outra forma. Hoje o homem não tem de se preocupar muito com predadores, e são poucos que esquentam a cabeça com princípios religiosos. O que acaba com a gente é tanta informação, tantos parâmetros a serem seguidos. A tv e as revistas nos bombardeiam com imagens de pessoas bonitas, bem-sucedidas, ricas e felizes. Logo, fazemos uma comparação e vemos que somos piores que elas (sempre perdemos para essas figuras fictas e estereotipadas!). Sentimo-nos ansiosos porque queremos ser mais bonitos, mais ricos, ter um trabalho bom, uma boa colocação social, uma boa qualidade de vida...

A internet nos enche de informação a todo o tempo. Temos de tudo um pouco, mas não temos tempo para ver tudo e formarmos opinião sobre tudo. Isso nos deixa frustrados, impotentes...

Há tbm aquelas pessoas que desenvolvem doenças a partir de algum fato, como por exemplo um trauma sofrido (estresse pós-traumático), um medo que é aumentado até se tornar pânico (síndrome do Pânico), fobias, transtornos obsessivos-compulsivos (lavar a mão até sangrar, por pensar que está suja ou com bactérias), e a dita Ansiedade Generalizada (perturbação intensa e contínua, por meses).

Ainda assim, ela é importante. O mundo tem que girar, as coisas tem que acontecer. E se ninguém se preocupar com nada? Imagina?! O que deve ser controlado é a intensidade com que ela acontece. Todos somos mais, ou menos ansiosos.

Apesar da terapia ajudar, a melhor solução é relaxar e saber que não dá pra fazer tudo hoje... que tudo tem seu tempo. É difícil, mas não impossível.

Minha Esperança Brasil

Hoje tem o programa especial "Minha Esperança Brasil", na Tv Band.

Qual é a sua esperança?

O mundo tem esperança?

Muito especial. Não dá pra perder. Vale a pena conferir e ter a vida impactada.

06,07 e 08 de novembro
21hs

4 de nov de 2008

Vô de Voyage, cê sabe...

O que me fez tirar instantaneamente o aspecto fechado do rosto enquanto vinha pra faculdade foi eu ter visto pela primeira vez, ao vivo, o novo Voyage. (E depois ainda vi uma BMW e a nova versão do Corola...)
Tá certo que não é nenhuma revolução, mas é um clássico. Voyage é Voyage. Sinto-me honrado por ter um antepassado do tipo.

Ah se meu voyage falasse...

Na verdade, não entendi até agora aquelas propagandas do novo carro. Muito confusas; acho q não cumpriram com sua missão. Na verdade, não têm muito a dizer, pelo menos não com a mensagem que querem passar. Algo do tipo: "um carro assim vc nunca viu...". Acho que dava pra ser mais criativo, pois apesar do acionamento automático interno do porta-malas, como já disse, ele não traz nada de tão revolucionário.

Mas tudo bem, vai. Uma vez voyagera, sempre voyagera.

Alguém quer uma carona?

3 de nov de 2008

Vou-me embora pra Pasárgada...

É aquela velha história: santo de casa não faz milagre.

Fico vendo na TV toda a empolgação com as eleições americanas. Quase q só se fala nisso! Um número impressionante de repórteres brasileiros está posicionado no território dos States, pronto pra captar qualquer informação. Só a Globo tem vários, entre eles os líderes do principais jornais (Nacional e o da Globo). Caramba, nem quando a eleição é nacional a gente vê tamanha mobilização e preocupação. Tá certo q é mto importante, mas será que é superior aos assuntos da nossa nação? A ponto de os ancoras abandonarem seus postos aqui para acamparem ao redor da Casa Branca?

O de fora é muito mais interessante. Outro exemplo incontestável: o futebol. São poucos os que mantêm a opinião de torcer para um time de sua cidade, ou Estado. Pô, a maioria dos torcedores do estado do Paraná torce pra times paulistas!! Quantas camisas do Atlético ou do Coxa a gente vê na rua? Quase nenhuma! É como se o país se dividisse entre Corinthians, Palmeiras, Santos, São Paulo, Flamengo e poucos outros. Raras excessões acontecem nas capitais: Em Curitiba, pelo menos lá, a gente pode encontrar alguns torcedores nos times da região. Pelo menos lá, né.

Tbm, pudera: nossos times não nos dão mtos motivos de alegria. eu até tento torcer, mas o desgosto é muito. É duro ver um time como o Atlético fugindo do rebaixamento. Decepcionante. Se cair, o Estado só terá um representante na elite. Fala sério. É pra acabar.

Assim fica difícil. Mas não sei se vale como argumento pra torcer pro vizinho.

Permita-me refazer o texto de Bandeira: Vou-me embora pra Pasárgada, atrás de novos heróis, atrás de gente mais lustrosa...