28 de abr de 2009

O fim de semana passou que eu nem vi. Sexta-feira á noite estávamos lá sentados na grama, ao lado do RU... e agora já é terça. Muita correria: finalmente o telhado da edícula lá de casa está quase pronto, e logo vou ter meu próprio quarto (YEEEEESSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS). Legal, quem não dá a cara a tapa não consegue as coisas de maneira fácil. Pois bem, trabalhei um pouco no fim de semana, e isso tomou parte do meu tempo. Ademais, as atividades da Igreja também tiveram espaço na agenda, com destaque à nossa Célula, sábado a tarde, agora intitulada "Nova Geração", de acordo com o determinado na Assembléia Deliberativa CONSTITUTIVA. Fora isso tudo, minha tarefa foi mesmo estudar...

Finalmente fui apresentado para esse até então estranho chamado Direito Comercial. Prazer. Isso que dá não estudar durante o bimestre, depois é só se ferrar, estudando dia e noite, inclusive pedindo abono de serviço na segunda. Assim, meu fim de semana passou num piscar de olhos, inclusive a segunda-feira. Fora um pequeno tempo de trabalho de manhã, e uma visita ao médico, o resto do dia foi só estudando. NADA de INTERNET. Estou decidido. Esse vício não vai atrapalhar mais minha vida. Nada de deixar de estudar pra ficar online, mexendo nesses blogs: sinto muito. Ontem e hoje foi difícil resistir, e ontem ainda houve uma escapadinha, mas não o suficiente pra estragar o dia. Hoje, aguentei até agora, no intervalo de aulas da faculdade. Se não tomar uma decisão de ter horários rígidos e disciplina, não vai dar nada certo, só vou me matar á toa. E depois fico me martirizando, dia após dia pelo tempo perdido..

A regra é: disciplina. Estou decidido. Ah, aprova estava muito extensa e densa, mais complicada que esperávamos. Mas acho que dá pra ficar acima da média. só mais uma curiosidade: hoje o coordenador do Mudi perguntou meu nome pela primeira vez!! E até falou em me colocar como monitor, guiando as pessoas na falta deles... que brincalhão!

24 de abr de 2009

Beija-flor, meu amor



Hoje vi algo que me deixou maravilhado: um ninho de beija-flor, em uma árvore em frente ao MUDI. Tão singelo, tão delicado. O grande descobridor foi o Gilberto, que trabalha aqui na secretaria do museu. Ele me deu tanta informação, que me deu até vontade de pesquisar um pouco mais..

22 de abr de 2009

Testemunho!

Uma pra alegrar o dia!
Hoje de manhã fui ao médico. Na volta, andei um bom pedaço a pé, uns 15 min de caminhada. Trazia comigo dois papéis importantíssimos: um atestado, de que havia me consultado, e o receituário, com prescrições de remédios muito caros e importantes. Coloquei esses dois papéis dentro da pasta de exame, e confiei que não iam cair. Essa mesma pasta eu usava pta tapar a luz do sol do meu rosto. De quando em quando eu olhava p/ os papéis, para calcular o valor dos remédios e como eu iria usá-los nos próximos meses.

Cheguei na UEM e logo guardei a pasta no armário da copa: estava tendo reunião... depois almocei, voltei pra copa e fui olhar os papéis..... HAVIAM SUMIDO!!!! AAAAAAAAAHHHHHH!!!!

E agora? Num surto de desespero sai correndo em direção à rua e... brincadeira, fiquei preocupado, mas não tinha mais tempo de almoço pra ir procurá-los, então só dei uma olhadinha no estacionamento e na calçada da rua, para que as más línguas na me condenassem à um interrogatório com minhas superiores.

Voltei para o trabalho e a toda hora me culpava... "cada coisa que eu faço.."..

Depois do expediente, voltei ao lugar do crime (pelo menos para procurar o lugar do crime)Sem aqueles papéis teria sérios problemas. Disse: Ô JESUS, ME AJUDA!!!!!

Me lembrei que a última vez que tinha olhado para eles tinha sido na metade do caminho, pouco antes de chegar no Colégio Gastão. Dei uma boa olhada na Colombo, no estacionamento da UEM, nos canteiros e jardins... todo papel suspeito era investigado. Comecei a subir a Herval, logo avistei um papel semelhante... fiquei esperançoso, era o primeiro papel que realmente parecia com os procuradose.. era publicidade... ergui o rosto e olhei adiante, na canaleta rente ao meio-fio: outro papel semelhante, virado ao contrário: era a receita!! Glória a Deus! Dei uns passos adiante e olhei novamente para o canteiro central: atravesei a rua e a uns 20 metros, outro papel igual, no retorno dos carros: era o atestado!!!

Depois de tantas horas, depois de suportar o calor do sol, o pneu de vários carros e a sujeira da rua (estão todos sujos e marcados de borracha), eu os encontrei!!

Viva!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ia me ferrar sem esses papéis... e as mulheres da copa ficaram de queixo caído... mandaram eu agradecer a Jesus... Obrigado Jesus!!

16 de abr de 2009


Atualmente, ele trabalha como zelador.

Paineiras



Acabo de ter uma sensação maravilhosa. Esta foto é de uma paineira, encontrei na net. Poucas vezes na vida me doeu tanto não ter uma câmera fotográfica. Aliás, todos os dias tenho ótimas imagens, ótimos locais, mas me falta a câmera. Sou louco por fotografias (se alguém quiser me presentear, aceito figurar no pólo passivo da doação!).

É que é época das árvores florirem, e isso fica um espetácuo quando são 31 magnânimas e esplendorosas colocadas lado a lado. Fica aqui na UEM, perto da Estação Climatólógica, às margens dos campos de futebol. É uma paisagem sui generis, que pode ser vista de longe.


Não resisti ao encanto e fui lá conferir.
Que espetáculo aquele lugar, que ar bucólico!
É como se um tapete rosa tivesse sido colocado no chão, às sombras das árvores
É indescritível!

Sentado sobre aquele tapete verde-rosa fiquei alguns minutos
Minha paixão é a natureza
É como se não existisse mais ninguém, somente eu e a natureza
É como se o mundo fosse vazio
Somente eu e a graça da natureza!


Como que num movimento monitorado
As flores vão caindo... uma à sua vez.
O único som que meus tímpanos podem perceber é o som das flores caindo, dos galhos dançando com o vento
e dos beija-flores (quantos!!) em sua valsa eterna e melodiosa
...e é como se o tempo parasse...
esse é o melhor refúgio do mundo: o seio da criação divina

como se não existisse mais nada: só eu e a natureza

Ontem flagrei uma pessoa atônita sob as árvores... fotografando

Hoje, enquanto meditava sentado sob aquela grama colorida, Vi que vinham duas garotas... lá ao longe, bem ao longe
a quase cem metros de mim.. vinham caminhando sob as árvores, e olhando para as árvores
As palavras de baixão calão que diziam não fez a mágica do lugar desaparecer..
ao mesmo tempo, percebi que um rapaz, com o cabelo parecido com o meu, sentou-se a alguns metros de mim... fiquei olhando, e vi que apanhou uma flor do chão
e cheirou-a, num ato sincero
foi nessa hora que duvidei de sua sexualidade... Por que somos assim? Qual o problema? E, afinal, o que estava eu fazendo ali??

Os insetos continuavam a marcar presença, e os beija-flores continuavam sua dança
Quando um outro rapaz se aproximou, pelo estacionamento que tem lá perto
Parou. Olhou. Foi pra frente e pra trás, pra um lado e pro outro, como que procurando todos os ângulos possíveis...
Deu vários passos, colheu uma flor e... levou-a ao nariz..
é como se ele só tivesse vindo até ali para fazer isso. Logo voltou de onde veio..
e eu fiquei só. Só não: eu e a natureza
Poderia passar todo o dia lá, não só a hora do almoço
Até levaria meus livros pra lá, se não fosse tão desaconchegante pra isso
Mas tudo bem, foi bom deixar de estudar pra vivenciar esse momento

agora estou aqui, com as mão cheias de pólen sobre o teclado
Precisava registrar isso antes que as lembranças de tão bom sentimento não estivessem mais 100% em mim..
Com certeza, esse foi o momento mais mágico do meu dia, quem sabe da semana
e... ah, também cheirei uma flor!

15 de abr de 2009

Ryu é o cara?!



Tenho um amigo que trabalha nesse mercado (adivinha quem??)
Algumas das minhas citações preferidas, escritas por C.S. Lewis:
/
"Deus sussurra a nós na saúde e prosperidade, mas, sendo maus ouvintes, deixamos de ouvir a voz de Deus. Então Ele gira o botão do amplificador por meio do sofrimento. Aí então ouvimos o ribombar de Sua voz."
/
Como conhecer a Deus
“É como a luz do sol que, embora não tenha favoritos, não pode refletir-se num espelho coberto de pó com a mesma luminosidade com que se reflete num espelho limpo.”
/
"Tudo o que não é eterno, é eternamente inútil."
/
"... a saúde espiritual do indivíduo é exatamente proporcional ao seu amor por Deus."
/
"Se eu encontro em mim um desejo que nenhuma experiência neste mundo pode satisfazer, a explicação mais provável é que eu fui feito para outro mundo."
/
“Somos criaturas indiferentes, que brincam com bebidas, sexo e ambição, enquanto o gozo infinito é nos oferecido. Como uma criança ignorante que deseja continuar brincando na lama em uma favela, porque não imagina o que significa o oferecimento de um feriado na praia. Satisfazemo-nos com coisas pequenas demais”
/
" Se houve um poder controlador fora do universo, este não poderia apresentar-se a nós como um dos fatos que fazem parte do universo - assim como o arquiteto de uma casa não é de fato, uma das paredes, ou a escada, ou a lareira dessa casa."
/
"Se o sistema solar foi criado por uma colisão estelar acidental, então o aparecimento da vida orgânica neste planeta foi também um acidente, e toda a evolução do Homem foi um acidente também. Se é assim, então todos nossos pensamentos atuais são meros acidentes – o subproduto acidental de um movimento de átomos. E isso é verdade para os pensamentos dos materialistas e astrônomos, como para todos nós. Mas se os pensamentos deles – isto é, do Materialismo e da Astronomia – são meros subprodutos acidentais, por que devemos considerá-los verdadeiros? Não vejo razão para acreditarmos que um acidente deva ser capaz de me proporcionar o entendimento sobre todos os outros acidentes. É como esperar que a forma acidental tomada pelo leite esparramado pelo chão, quando você deixa cair a jarra, pudesse explicar como a jarra foi feita e porque ela caiu."

14 de abr de 2009

Se a juventude soubesse...

Hoje parece que já é sexta-feira, tamanho meu cansaço. Me lembro que quando saí de casa, no domingo, por volta das 18hs, disse à minha mãe: "Até terça.." Saí e fui para o hospital, onde minha avó está internada.

Cheguei lá com minha mochila (meu guia diário de sobrevivência) reforçada. Hospital-trabalho-faculdade... passei quase 30 hs fora de casa, numa rotina à qual já me habituei (fora o hospital, é claro). Pensei que não, mas isso fez uma diferença danada na minha rotina, e hoje sinto como se fosse quinta ou sexta-feira.

Tinha tanta pra coisa pra dizer sobre aquele local
Mas o tempo me fez titubear quanto às palavras
Aquele frio, aquele povo, aquela gente
Gente doente, carente, enfim..
Que triste é estar preso por uma força tamanha
Preso pela doença, pelas circunstâncias que não escolhemos mas, vez ou outra, somos obrigados a enfrentar, como se fôssemos entregues à vaidade de nossa saúde

Aqueles corredores escuros, aquela gente triste..
Alguma gente com esperança! Sim, esperança..
Uma noite no hospital... isso não é nada pra quem já vive lá... prisão!
Como se um nevoeiro pairasse sobre aquele hall... mas não!
Não havio nevoeiro, havia uma certa tranquilidade... tranquilidade de quem prefere estar calado, de quem prefere tentar dormir
No escuro da noite, a aproximação da madrugada
Aquela mesa branca no centro do hall
Aquelas cadeiras enfileiradas.. todas vazias, como se esperando por gente...
aqueles corredores escuros, alguns sussurros ao fundo
Enfermeiros de quarto em quarto, paz... sofreguidão, tranquilidade
E aquela musica do Roberto Carlos na central de enfermaria,
Entonava aquele sentimento de sei lá o que
Talvez de conformismo

O desfribilador no corredor, o bebedouro sem água
Ou com água gelada demais
Gelada como o tempo em um hospital...

E aquela senhora na cama, não, a minha avó não, a outra!
Não só ela... todos os idosos.. que castigo..
Ah: a velhice! Que triste.. pra que temos que sofrer assim?

Ah, a juventude....
Se a juventude soubesse..............

..

como dançar break


"Sou veterinário, e fui chamado para examinar um cão da raça Wolfhound Irlandês, chamado Belker.

Os proprietários do animal, Ron, sua esposa Lisa, e seu garotinho Shane, eram todos muito ligados a Belker e esperavam por um milagre.

Examinei Belker e descobri que ele estava morrendo de câncer. Eu disse à família que não haveria milagres no caso de Belker, e me ofereci para proceder a eutanásia para o velho cão em sua casa.

Enquanto fazíamos os arranjos, Ron e Lisa me contaram que estavam pensando se não seria bom deixar que Shane, de quatro anos de idade, observasse o procedimento. Eles achavam que
Shane poderia aprender algo da experiência.

No dia seguinte, eu senti o familiar “aperto na garganta” enquanto a família de Belker o rodeava.
Shane, o menino, parecia tão calmo, acariciando o velho cão pela última vez, que eu imaginei se ele entendia o que estava se passando.

Dentro de poucos minutos, Belker foi-se, pacificamente. O garotinho parecia aceitar a transição de Belker, sem dificuldade ou confusão.

Nós nos sentamos juntos, um pouco após a morte de Belker, pensando alto sobre o triste fato da vida dos animais serem mais curtas que as dos seres humanos.
Shane, que tinha estado escutando silenciosamente, disse:
- "Eu sei porque."

Abismados, nós nos voltamos para ele. O que saiu de sua boca,me assombrou.Eu nunca ouvira uma explicação mais reconfortante.

Ele disse:
- "As pessoas nascem para que possam aprender a ter uma boa vida, como amar todo mundo todo o tempo e ser bom, certo?"

o garoto de quatro anos continuou...
- "Bem, cães já nascem sabendo como fazer isto, portanto não precisam ficar por tanto tempo."


Enviado por email por Cláudio Trindade"

http://jardimdeurtigas.blogspot.com/2009/04/porque-os-caes-nao-vivem-tanto-quanto.html

8 de abr de 2009

BÊBÊBÊbabacá

Admirei-me ao ouvir de longe o discurso do Bial e a nomeação do mais novo vencedor do BBB. Max? Ué...

Nem assistia o programa, mas me lembro de ter visto alguma coisa lá no começo. Achava que esse Max sairia logo. Seu perfil soava como o de uma pessoa falsa, que só queria jogar. Me lembro de quando ele disse que tinha medo de beber, e então fazer alguma cagada. Medo de deixar a máscara cair, será?

Mas não se pode negar que ele foi um verídico jogador: antes desacreditado e posto em duvida seu caráter, com o tempo foi tomando seu lugar... foi fazendo seu joguinho de maneira sutil... e duvido que tenha se deixado contaminar pelas relações humanas feitas lá dentro. Acho que é a primeira vez que uma pessoa age com tamanha frieza, mesmo estando num ambiente vigiado 24hs por dia, renunciando a toda sua intimidade (Mas a intimidade não é um direito humano irrenunciável?? Sim, mas isso é assunto pra outra hora).

E ele ganhou. Isso só prova que: sim, as pessoas são capazes de tudo em nome do jogo (ah, ele não me engana); e que o povo brasileiro é estúpido demais, ao ponto de se deixar levar por uma pessoa que o tempo inteiro forçou um comportamento, abdicando de seu próprio "eu", em nome da vitória. O que ele tem de parecido com os outros ganhadores? O carisma? A humildade? A simpatia cativante? NADA. Mas foi aprimeira pessoa que soube verdadeiramente jogar, e tapear a velha máxima de cativar pela candura a preferência nacional. É, acho que saiu tudo como ele pretendia.


Melhor que isso, só ZEZÉ & LUCIANO cantando no final do programa:

"Por deus tudo acabou, eu já não agüentava mais.."







*Ah, não vou pôr foto do Max aqui, não.

O princípio da dignidade da pessoa humana

Partindo da visão kelseniana encontramos nosso sistema jurídico embasado pela Constituição Federal, a Magna Carta. Esta, por sua vez, encontra-se alicerçada em princípios que norteiam toda sua estrutura, direcionando a eficácia de seus elementos. Entre esses princípios destaca-se o da dignidade da pessoa humana.
Tal princípio eleva de maneira contundente a dignidade do ser humano a um patamar ainda não evidenciado nos sistemas políticos passados. Isso faz com que a dignidade da pessoa humana seja um dos principais vetores do nosso sistema normativo, de modo a centrar na figura do ser humano toda sua razão de ser, adotando diretrizes que satisfaçam às suas necessidades enquanto parte fundamental do meio social.
Todo esse favoritismo pelo instituto é demonstrado hoje nas políticas públicas e nos julgados de nossos tribunais, podendo também ser aferido internacionalmente em diversas partes do mundo, o que o consagra como tendência jurídica cada vez mais forte e necessária.

6 de abr de 2009

Segunda-feira braba..

Segunda-feira. Chego e vejo que o MUDI está muito sujo. Uma loucura: sexta estava de atestado, sábado não vim fazer hora-extra e domingo caiu um toró. A calçada da frente cheia de folhas e galhos, e ainda por cima alguém entrou com uma caminhoneta até à entrada, e deixou tudo sujo de barro (isso porque há uma semana eu lavei toda a calçada com a "supermáquina", pra língua nenhuma botar defeito).



Muito bem: meu nome = trabalho, sobrenome = escravidão! Lá vou eu esfregar aquelas manchas de barro, lá vou eu catar todo o lixo das árvores e tudo mais o que o homem deixa pelo caminho... lerê lerê... 60 m2 de calçada bruta....



... e quando finalmente estava no final, nas últimas marcas de sujeira, e quando todo o lixo já havia sido recolhido... tcharam!! Eis que chega ele: o famoso Faustão (até então desconhecido para mim), e diz que vai cortar a grama.... CORTAR A GRAMA = MUITA SUJEIRA!!!



"Eu to acabando de lavar, tava muito sujo.." .. "é rapidinho, nem vai fazer muita sujeira..."


15 min depois..... O CAOS!!!!!! UM LIXO!!! Não vai fazer sujeira? A calçada, ainda molhada, ficou coberta de grama. Cobertinha da silva!!!!!! E ele não se deu o trabalho nem de varrer!! Todo meu trabalho foi em vão!!!!!!!!!!!!!!!!



Nessas horas dá até vontade de esquecer de alguns princípios e......kkld#%¨&f#$$h¨&*!


E ele ainda vem dizendo, todo sorridente: "pode lavar, agora...."


2 de abr de 2009

1 de abr de 2009

F1: A Brawn é o cara!?


É incrível como agora todos amam o Barrichello!! Ah, torcedores.....


Todos apostam na Brawn, com seu carro bem-nascido e refinado aerodinamicamente. Até quando? Todos sabemos que cedo ou tarde (tá, cedo) as outras equipes vão reparar seus carros e alcançar a Brawn, que terá que lutar para manter o nível e acompanhar os avanços, algo difícil num esporte tão caro como na F1. Sem falar nos pilotos da Brawn, que aceitaram a redução nos salários para poderem continuar na F1. Mas penso que eles nunca dariam pra trás, não depois de um início de temporada arrasador.


Barrichello? Campeão dos campeões!!! Uauuuuuu!!! Ídolo!!! Até ontem ninguém mais se lembrava dele, e hoje é o cerne da euforia do brasileiro. Pára o carro que quero descer...


O que não se pode negar é a emoção que essa temporada nos trará (e surpresas, acredito). Fica no ar a curiosidade pela evolução do uso dos difusores. Tudo pela emoção, enquanto ela durar...



Se for colher soja, não beba



www.casadonoca.blogspot.com