24 de nov de 2013

Um olhar, um suspiro

Você se pega assim meio desnorteado.
Sem direção, sem referência, sem qualquer bússula.
E não se enquadra mais nos moldes de antes,
na forma pré-definida de si mesmo. Porque você já não é mais o mesmo.
E percebe que seu acordar é diferente,
Seu levantar é diferente, seu respirar é diferente.

Respirar? Ahh, respirar...
pausadamente, e num movimento de profundidade, respirar.
Como se fosse seu último fôlego de vida... respirar.
Com tamanha intensidade, e com espantosa frequência,
que fica quase impossível de disfarçar.

E de praxe o mundo gira, mas aqui não gira igual.
A vida segue, porém aqui ela vai além disso:
Ela segue com uma gama de incríveis sentimentos e sensações
apensados de maneira nunca antes vista, onírica, esplendorosa.
Sensações que trazem cor e significado
aos mais minuciosos detalhes de uma rotina cinza, monocromática e estável.

Olhos cativos, sorrisos bobos, expressão despretensiosa que denuncia.
Denuncia que o que era antes já não é mais,
Antes, deu lugar ao que não era,
sendo feito novo, num ressurgimento platônico
daquilo que de mais lindo pode acontecer:
Um olhar. Um suspiro. O Amor.


Chegamos aos 10.000


10.000 km alcançados nesta madrugada com meu HB20. Farei a primeira revisão nos próximos dias. Nesses 8 meses de uso, nenhuma vez precisei recorrer à mecânica. Nenhum problema.

Muito feliz!