14 de abr de 2009

Se a juventude soubesse...

Hoje parece que já é sexta-feira, tamanho meu cansaço. Me lembro que quando saí de casa, no domingo, por volta das 18hs, disse à minha mãe: "Até terça.." Saí e fui para o hospital, onde minha avó está internada.

Cheguei lá com minha mochila (meu guia diário de sobrevivência) reforçada. Hospital-trabalho-faculdade... passei quase 30 hs fora de casa, numa rotina à qual já me habituei (fora o hospital, é claro). Pensei que não, mas isso fez uma diferença danada na minha rotina, e hoje sinto como se fosse quinta ou sexta-feira.

Tinha tanta pra coisa pra dizer sobre aquele local
Mas o tempo me fez titubear quanto às palavras
Aquele frio, aquele povo, aquela gente
Gente doente, carente, enfim..
Que triste é estar preso por uma força tamanha
Preso pela doença, pelas circunstâncias que não escolhemos mas, vez ou outra, somos obrigados a enfrentar, como se fôssemos entregues à vaidade de nossa saúde

Aqueles corredores escuros, aquela gente triste..
Alguma gente com esperança! Sim, esperança..
Uma noite no hospital... isso não é nada pra quem já vive lá... prisão!
Como se um nevoeiro pairasse sobre aquele hall... mas não!
Não havio nevoeiro, havia uma certa tranquilidade... tranquilidade de quem prefere estar calado, de quem prefere tentar dormir
No escuro da noite, a aproximação da madrugada
Aquela mesa branca no centro do hall
Aquelas cadeiras enfileiradas.. todas vazias, como se esperando por gente...
aqueles corredores escuros, alguns sussurros ao fundo
Enfermeiros de quarto em quarto, paz... sofreguidão, tranquilidade
E aquela musica do Roberto Carlos na central de enfermaria,
Entonava aquele sentimento de sei lá o que
Talvez de conformismo

O desfribilador no corredor, o bebedouro sem água
Ou com água gelada demais
Gelada como o tempo em um hospital...

E aquela senhora na cama, não, a minha avó não, a outra!
Não só ela... todos os idosos.. que castigo..
Ah: a velhice! Que triste.. pra que temos que sofrer assim?

Ah, a juventude....
Se a juventude soubesse..............

..

2 comentários:

Pedro J. Souza disse...

É o que comentamos na célula sábado né Weslley?
Acho que foi exatamente esta situação que a Kátia expôs. Devemos aproveitar nossa juventude, pois na velhice não poderemos fazer tudo o que podemos hoje...principalmente a limitação física, é o que faz a diferença.
Com certeza devemos dar valor e aproveitar com sabedoria nossa juventude. Fazer o que fomos chamados para fazer, cumprir nossa missão na Terra, e ter a consciência, que no amanha, talvez muitos de nós estaremos na situação citada no texto.

Wesllão F. S. Nogueira disse...

É... mas é aquilo que eu disse: é muito mais fácil uma pessoa naquele estado crer e seguir a Deus, já que sabe que o fim da sua vida está próximo.. é muito mais fácil se arrepender, viver segundo o evangelho, e buscar assim sua salvação.
Já para os jovens é diferente... tudo desvia nossa atenção.. "e pra que temer, se não vamos morrer agora e temos muita saúde?"